1ª Delegacia de Combate a Crimes Documentais e Biométricos é inaugurada

1ª Delegacia de Combate a Crimes Documentais e Biométricos é inaugurada
Foto Pixabay

Há pouco menos de um mês, a Polícia Civil de São Paulo inaugurou a primeira delegacia voltada especialmente para combater crimes de fraudes biométricas no estado. A Delegacia de Polícia de Combate a Crimes de Fraude Documental e Biometria vai operar na Avenida Casper Líbero, na Luz, Centro da capital paulista. E estará subordinada ao Departamento de Inteligência da Polícia Civil (DIPOL).

O delegado do Dipol, Maurício Correali, explicou que “na atualidade, em razão da evolução tecnológica e da aquisição de ferramentas de identificação eletrônica de impressões digitais, expandiu-se o leque de atribuições do DIPOL, fato que reclama centralização investigativa e especialização funcional”, afirma.

No primeiro momento, o foco do trabalho da delegacia será na capital, porém, poderá ser ampliado para outras cidades do estado, dependendo das investigações. O Departamento de Inteligência da Polícia Civil é comandado pelo delegado Caetano Paulo Filho. “Essa nova delegacia será mais um serviço que a instituição oferecerá à população de São Paulo”, disse ele.

Banco de dados biométricos

Foto Luis Gomes

Desde 2015 todas as biometrias do estado de São Paulo foram inseridas no sistema computadorizado da Polícia Civil — o Afis. Ele está entre os equipamentos que serão utilizados pela delegacia para identificar esquemas fraudulentos. Esse banco de dados ajuda nos cruzamentos de informações para descobrir fraudes. Antes da criação da delegacia, os crimes biométricos eram investigados exclusivamente em cada um dos distritos policiais da cidade de São Paulo.

Nos últimos dois anos foram abertos mais de 150 inquéritos em distritos policiais para investigar suspeitas de fraudes biométricas no estado, segundo informações do DIPOL. Neste período, foi identificado pelo IIRGD (Instituto de Identificação Ricardo Gumbleton Daunt), mais de mil incompatibilidades de biometria num banco de dados de aproximadamente 6 milhões de dados biométricos do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) de São Paulo.

Em 2013, a polícia paulista chegou a descobrir um esquema fraudulento em Ferraz de Vasconcelos que envolvia o uso de dedos de silicone para burlar sistemas do ponto eletrônico do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

Fraudes biométricas

O ganho com uma delegacia especializada é enorme para os cidadãos brasileiros. No entanto, as medidas preventivas e mitigadoras são as melhores ferramentas para proteção das informações biométricas. O cumprimento e adequação da LGPD aparece com uma das medidas para uso seguro e confiável dos dados biométricos na nossa sociedade digitalizada.

💡

A Epsoft — empresa brasileira desenvolvedora do Data Loss Prevention líder de mercado, possui um portfólio completo para a cibersegurança da sua empresa. Acesse nosso site e converse com nossos especialistas.